Prefeitura intensifica busca ativa por estudantes municipais


A Prefeitura de Uberlândia iniciou nesta semana uma nova etapa da busca ativa por estudantes que não estão utilizando o conteúdo pedagógico do “Escola em Casa”, fornecido pela Secretaria Municipal de Educação (SME) durante a suspensão das aulas, causada pela pandemia do novo coronavírus. Nesta fase, profissionais das 53 escolas municipais de ensino fundamental vão até as residências dos alunos para entender os motivos pelos quais eles não estão utilizando os recursos disponíveis para a continuidade do processo educacional temporariamente remoto.

Preocupados em fornecer um processo de ensino e de aprendizagem com qualidade e igualitário, as equipes técnicas da SME e das escolas elaboraram uma carta e um folder com explicações sobre as apostilas, as quais são impressas e entregues semanalmente nas escolas. O material também explica sobre as videoaulas exibidas pela TV Universitária e disponibilizadas no portal da Prefeitura (www.uberlandia.mg.gov.br) e como acessá-las, seja por meio da TV ou internet. Existem ainda esclarecimentos que as atividades compõem a carga horária mínima exigida de 800 horas para o cumprimento do ano letivo/calendário escolar.

“Percebemos que cerca de 12% de 42 mil estudantes do nosso ensino fundamental, ou seja, mais de cinco mil, não estão usufruindo do material”, disse a secretária de Educação, Tania Toledo. Segundo ela, neste momento, a maior preocupação é com o ensino fundamental, onde o processo de aprendizagem é mais complexo.

 

Cada aluno é um caso específico

Na Escola Municipal Professora Josiany França, no bairro Jardim Canaã, a ida às residências começou na manhã desta quinta-feira (13). A unidade atende 925 alunos no ensino fundamental e constatou que 61 não estavam buscando o material impresso. Após ligações telefônicas, a equipe da escola conseguiu identificar a situação de 30 estudantes, como mudança de endereço, falta de acesso à internet e contaminação na família pelo novo coronavírus. “Agora vamos em busca dos 31 que não conseguimos entrar em contato. Queremos que todos tenham acesso a este material”, disse a diretora da unidade, Ana Maria de Freitas.

O resultado foi satisfatório logo na primeira residência visitada. Por causa de troca de número do telefone que não foi sido comunicada à escola, a família do estudante Rikelmy Inácio Santos da Silva, do 5º ano, não tomou conhecimento do material alternativo. “Fiquei muito feliz e agradecido com a visita da equipe e hoje mesmo o Rikelmy vai até a escola pegar o material e começar a estudar”, garantiu o pai do estudante, o motorista Denner Fernando dos Santos.

 

Iniciativas são elogiadas

O esforço dos profissionais da SME em manter o vínculo dos estudantes da rede com as escolas tem sido reconhecido e elogiado por muitas pessoas. Ao retirar as apostilas na escola Josiany França, a estudante Giovanna Beatriz, do 7º ano, disse que a iniciativa é muito importante e que nunca deixou de fazer as atividades. “Eu prefeito frequentar a escola com meus colegas, mas entendo que isto não é possível e estou levando a sério o novo formato de educação”, confirmou.

Na mesma escola, a dona de casa Vanderléia Maria da Cruz Rocha contou que elaborou uma rotina de estudos para o seu filho Guilherme Henrique, estudante do 4º ano. “Ele tem nove anos de idade e pensa que o afastamento da escola é igual férias. Se eu deixar, ele vai ficar o tempo todo brincando, assistindo TV ou mexendo na internet e não vai estudar. Só que eu não deixo, cobro que faça tudo direito”, disse.

 

“Escola em Casa”

O programa “Escola em Casa” teve início no mês de abril como um portal on-line, onde os estudantes da Rede Municipal de Ensino têm acesso gratuito a materiais didáticos diversos durante o período de suspensão temporária das aulas presenciais, uma das medidas adotadas pela administração municipal dentro da política de enfrentamento à pandemia causada pelo novo coronavírus. O mais recente levantamento feito nesta quarta-feira (12) apontou que já foram feitos mais de 975 mil acessos ao recurso. Posteriormente, desde o dia 1º de junho, o programa foi expandido para TV aberta, com exibição diária de videoaulas gratuitas.

Por meio do programa, conteúdos são disponibilizados semanalmente, com o objetivo de garantir que os estudantes mantenham uma rotina educacional. No menu da plataforma, o usuário tem acesso a itens que destacam informações sobre o recurso, acesso ao material didático, sala de leitura e jogos interativos. Os materiais podem ser impressos e estão divididos por ano escolar.

Para quem não tem condições de imprimir o material ou não possui acesso à internet, as escolas fornecem as apostilas. As escolas ficam disponíveis a pais e estudantes, servindo como mediadoras entre professores e alunos e estão abertas para retirada do material nos seguintes dias e horários:

  • Ensino Fundamental: terças, quartas e quintas-feiras – manhã e tarde.
  • Ensino Infantil: quartas-feiras – manhã e tarde.

 

Horários de exibição do Escola em Casa em TV aberta (canal aberto 4.1 e 8 na Algar IPTV):

  • Segunda a sexta-feira, das 9h às 11h (Educação Infantil e Ensino Fundamental)
  • Segunda e quarta-feira, das 19h30 às 20h30: Educação de Jovens e Adultos e Programa Municipal de Alfabetização de Jovens e Adultos
  • Sábado, às 14h30: Conteúdo especial para alunos do Atendimento Educacional Especializado

Fonte: SECOM