Adotado novo modelo de consulta médica com especialistas


O termo distanciamento social passou a ser uma regra na vida de todos e trouxe uma nova realidade. Com o “novo normal”, vários hábitos foram transformados ou substituídos para que a pessoas fiquem protegidas. Pensando nisso, a Prefeitura de Uberlândia tem remodelado vários serviços como, por exemplo, o das consultas médicas com especialistas. A iniciativa já contribuiu para uma retomada de 52% dos atendimentos realizados antes da pandemia.

Anteriormente, as consultas médicas nas várias especialidades, como cardiologia, neurologia, nefrologia, endocrinologia, ortopedia, reumatologia, geriatria, dentre outros, aconteciam nos ambulatórios das Unidades de Atendimento Integrado (UAI). Com o início da pandemia, os atendimentos foram suspensos.

A retomada dos atendimentos foi possível após a Prefeitura de Uberlândia adotar um novo modelo em que a grande maioria destes profissionais foram remanejados para as unidades de saúde da Atenção Primária espalhados por todo território da cidade.  Com isso, as consultas em cardiologista, por exemplo, já representam 45% em comparação com antigamente. O mesmo acontece com ortopedia (62,2%), endocrinologia (66,7%) e urologia (54,2%).

Outro benefício desta mudança é a possibilidade de integração entre os profissionais da atenção básica com a especializada, já que o atendimento passa a acontecer em conjunto, garantindo uma maior integração entre os profissionais e o paciente, conforme explicou a coordenadora da Atenção Primária, Karina Kelly de Oliveira. “Nesse modelo que adotamos conseguimos garantir que a população continue sendo atendida e de forma segura. Além disso, estando na unidade básica, o clínico geral participa das consultas e acompanha de perto o que está sendo repassado ao paciente”.

A coordenadora ainda ressaltou que, mesmo neste formato de atendimento na unidade básica, a Central de Regulação Médica continua sendo responsável pelos agendamentos das consultas especializadas. Ou seja, para ter acesso às consultas especializadas, o paciente precisa passar pelo clínico geral da sua unidade de referência que, identificando a necessidade de uma consulta com especialista, fará o encaminhamento para a Central efetivar o agendamento.

 

Fonte: SECOM