Ações da Prefeitura reduzem gravidez na adolescência em Uberlândia


A gravidez na adolescência pode causar inúmeros riscos à saúde da mãe e do bebê, além de provocar impactos socioeconômicos para as famílias. Por isso, a Prefeitura de Uberlândia, por meio da Rede de Atenção à Saúde da Mulher e da Atenção Primária, tem fortalecido, desde o início da gestão, as ações de planejamento familiar para diminuir a incidência de gravidez nessa faixa etária. Como resultado, a porcentagem de adolescentes grávidas na cidade tem tido uma constante queda desde 2017.

No primeiro trimestre de 2020, do total de mulheres que deram à luz no município, 220 correspondem a adolescentes abaixo de 19 anos (9,26% do total de partos). Esse é o menor número dos últimos anos, quando a porcentagem sempre esteve acima dos dois dígitos. Em 2017, por exemplo, 280 adolescentes deram à luz no primeiro trimestre (11,26% do total de partos).

Além do trabalho de educação e prevenção constante realizado pela Rede de Atenção à Saúde da Mulher em parceria com a Atenção Primária, uma das ações eficazes foi a implementação do método contraceptivo subcutâneo no início de 2018. Com o uso do Implanon, Uberlândia foi a primeira cidade de Minas Gerais a adotar o uso deste contraceptivo a fim de aprimorar a prevenção e ampliar os cuidados.

O contraceptivo subcutâneo é comprado pela Prefeitura de Uberlândia, sendo um método gratuito no qual um pequeno bastão é implantado embaixo da pele do braço, liberando o hormônio etonogestrel. Embora dure poucos minutos para ser colocado, o método tem duração de três anos, quando é recomendada a troca. Para receber o atendimento, a interessada deve procurar a unidade de saúde de referência mais próxima, para que o médico avalie se a mesma se enquadra nos critérios.

Além do contraceptivo subcutâneo, também são disponibilizados de forma gratuita nas unidades de saúde os preservativos masculinos e os anticoncepcionais orais e injetáveis. O Dispositivo Intrauterino (DIU) também é ofertado na rede, sendo oferecido no pós-parto enquanto a adolescente está na maternidade.

A coordenação do Programa da Rede de Atenção à Saúde da Mulher ressalta que toda a rede de saúde conta com profissionais capacitados, seja o clínico geral ou o ginecologista para fazer o atendimento deste público. Com ciência dos riscos e impactos da gravidez na adolescência, o trabalho busca a prevenção e a orientação das famílias, detalhando qual o melhor método de prevenção para cada caso.

Confira o índice de adolescentes grávidas em relação ao número total de partos em Uberlândia:

2017= 11,26%

2.018= 11,05%

2.019= 10,50%

2.020= 9,26%

*Referência: o primeiro trimestre de cada ano